O mercado pet no Brasil se tornou uma opção promissora, que vai muito além de produtos curiosos e até excêntricos para animais de estimação.


De acordo com a Anfal Pet (Associação Nacional dos Fabricantes de Alimentos para Pequenos Animais), há no Brasil 31 milhões de cães, 15 milhões de gatos e um volume de produção de 1,8 milhão de toneladas de alimentos, com faturamento de US$ 3,07 bilhões. O último estudo que levou em consideração os pet shops - realizado em 2005 pelo Sistema Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae-SP) - informava o número de cinco mil lojas somente em São Paulo e oito mil em todo o país. Atualmente, estimativas da indústria apontam que o Brasil possui aproximadamente 30 mil pontos de venda.
Os números evidenciam o sucesso do setor, que promete muito mais. Para 2010, a Anfal Pet prevê que o mercado terá um crescimento de 3% a 4%.
O diretor de marketing da Vetnil, um dos cinco maiores laboratórios do Brasil em medicamentos e suplementos veterinários para animais de pequeno e grande porte, Cristiano de Sá, acredita que o fato das pessoas estarem percebendo cada vez mais a importância e os benefícios da relação homem e animal de estimação é uma das principais razões que fazem deste mercado um dos mais promissores.
Além disso, a longevidade, o aumento da renda per capita e o estilo solitário das pessoas dos grandes centros urbanos têm contribuído para o crescimento do mercado pet. "O convívio com animais de estimação desperta características como a confiança, a lealdade e o amor, sentimentos que dão sentido à vida. O contato físico, pelo afago a um gato ou cachorro, e a interação pela brincadeira também têm o poder de acalmar, diminuir o estresse e aumentar a autoestima das pessoas. Com isso, o pet se firma como um membro da família e passa a ser quisto e tratado como a um filho", define Sá.

Clientes exigentes

Para atender à crescente demanda por produtos e tratamentos para os animais, a indústria veterinária tem investido cada vez mais em tecnologia e conhecimento científico aplicado aos produtos. Obviamente que a exigência por produtos e serviços inovadores não vem dos bichos e sim de seus donos que gastam, em média, R$ 390 per capta/ano entre pet food, produtos farmacêuticos, vacinas, embelezamento e acessórios, segundo a Anfal Pet.
Só na indústria alimentícia (que representa 74% do faturamento do mercado), há diversas opções. "O mercado de pet food é altamente rentável e ainda tem muito potencial de crescimento. Basicamente, toda a evolução que temos em alimentos para humanos pode ter sua versão análoga para pets, já que cada vez mais eles são tratados e considerados membros da família", pontua a gerente de planejamento estratégico e marketing corporativo da Premier Pet, Madalena Spinazzola. Um dos exemplos de inovação é da fabricante de pet food Total Alimentos, que possui uma estação de pesquisas única na América Latina, conveniada à Universidade de Illinois, Estados Unidos. Os alimentos são cuidadosamente elaborados com ingredientes que potencializam a prevenção da saúde oral, diminuição do odor das fezes, auxílio na eliminação de bolas de pelos, beleza da pele e pelagem e benefícios para a saúde de animais maduros, com sensibilidade alimentar, castrados, entre outros.

Tratamento VIP

A mais recente inovação da Total Alimentos consiste em uma linha de alimentos 100% natural para cães, sem conservantes artificiais, a Naturalis.
Os produtos são desenvolvidos a partir de ingredientes como a proteína nobre de peru, frutas que aumentam a imunidade, antioxidantes naturais que combatem o envelhecimento celular, aveia e cereais integrais que melhoram a saúde intestinal dos cães. De acordo com a veterinária Melissa Moro, a linha Naturalis supre uma necessidade dos consumidores adeptos à alimentação natural que também desejam proporcionar os benefícios deste estilo de vida a seus cães.
Já os laboratórios também possuem uma importante participação no crescimento deste mercado, representando 8% do faturamento. A Centralvet, empresa especializada em gestão comercial neste setor, destaca o trabalho do laboratório Inovet, que trouxe ao Brasil um curativo que atua como uma segunda pele. "O Bioprat é um produto inovador que protege suturas e lesões na pele do animal. Consiste em uma membrana microfibrilar produzida por um processo biotecnológico. Possui permeabilidade seletiva, contribuindo para a passagem de gases importantes para a cicatrização, enquanto obstrui a entrada de microrganismos do meio externo", explica o gerente da Centralvet, Ronald Glanzmann.
Além do Bioprat, o laboratório Inovet trará ao Brasil, em outubro, o Cosequim, um suplemento alimentar para cães à base de condroitina, glicosaminas e minerais. Segundo a médica veterinária Larissa Higassi, o maior diferencial deste produto é a facilidade de absorção pelos animais. "Ele possui moléculas de baixo peso molecular em uma formulação única que traz benefícios às articulações."

Cuidados especiais

Além das inovações tecnológicas, um fator que tem proporcionado maior longevidade aos bichos é a especialização dos médicos veterinários (6 mil veterinários são formados anualmente no Brasil, segundo a Anfal Pet). No Hospital Veterinário Pet Care, estão à disposição dos animais cardiologistas, fisioterapeutas, dentistas, oftalmologistas e até médicos que trabalham com animais silvestres.
E para identificar o tratamento mais adequado a cada problema, o hospital veterinário conta com um laboratório de análises de Hematologia, Bioquímica, Urina, Fezes, Microbiologia, Dermatologia, entre outros, além de realizar exames como Ecocardiograma, Eletrocardiograma, Pressão Arterial Sistólica, Endoscopia, Laparoscopia, Radiologia, Ultrassom, etc.
Outro ponto que tem se levado em conta quando se fala em animais de estimação são as condutas no trânsito, já que muitos ignoram ou desconhecem as leis sobre o transporte dos bichos. De acordo com o inciso II do artigo 252, quem leva seus animais à esquerda ou entre os braços e pernas comete uma infração média, com perda de quatro pontos na carteira e multa de R$ 85,13. Caso o animal seja transportado na parte externa do veículo, a infração se torna grave e o veículo é retido pelas autoridades.
Para evitar o problema, o Pet Supermarket importou a linha Doggie Blockers, que são grades adaptáveis para carros que limitam o acesso do animal. Além de evitar acidentes, os produtos Doggie Blockers minimizam maiores danos no caso de colisões. "Após um acidente, o cão pode ficar estressado e avançar nos profissionais que querem prestar socorro às vítimas. Com a grade, o animal ficará limitado a um espaço sem contato com o motorista, permitindo que o resgate aconteça normalmente", comenta o médico veterinário Márcio Waldman, proprietário do Pet Supermarket.

0 comentários: