Prefeituras zeram filas de cães machos castrados, sem cirurgia ou dor


Em 2010 o número de doses vendidas do método não cirúrgico cresceu 800% comparado com o ano anterior
Algumas Prefeituras estão zerando a fila de cães machos que necessitam de com o uso de uma tecnologia mais barata, prática e menos invasiva: a não cirúrgica.
Único no mercado brasileiro, o Infertile é um que possibilita transformar um procedimento cirúrgico em um ambulatorial, ou seja, realiza a esterilização sem mutilações, e os cuidados e complicações típicas de um pós-operatório. São duas aplicações intratesticulares que deixam o animal infértil em aproximadamente 30 dias.
Para eliminar qualquer tipo de dor ou desconforto do animal foi desenvolvido pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Unesp (Universidade Estadual Paulista), campus de Botucatu (SP), um criterioso estudo que gerou um protocolo de aplicação. Na comparação com o grupo castrado cirurgicamente (protocolo de anestesia tradicional) a manifestação de dor foi menor nos cães que usaram o Infertile. Outra observação importante é em relação a agulha, que é exatamente a mesma usada por diabéticos que necessitam injetar insulina, ou seja: ultrafina.
O medicamento já é utilizado em 42 prefeituras de 14 Estados, entre eles São Paulo, Rio de Janeiro, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. “Em 2010 o número de doses vendidas cresceu 800% comparado com o ano anterior. Este ano pretendemos triplicar esse número”, diz Ricardo Lucas, responsável técnico da Rhobifarma, fabricante do Infertile.
Até março deste ano 12 novas prefeituras já abriram licitação para a compra do produto. “A ausência de dor decorrente do método, a praticidade e a economia são nossas melhores propagandas”, reforça Lucas. Entre as vantagens do medicamento estão o custo, cerca de 70% menor do que a castração cirúrgica, propiciando diversos ganhos para os municípios e os contribuintes. Com a economia, as Prefeituras puderam direcionar os recursos excedentes para ações como a castração cirúrgica de fêmeas e campanhas de conscientização dos proprietários sobre posse responsável.

0 comentários: